Mercado de vinhos é tema de palestra na SNCT em Urupema

O mercado e o potencial das regiões de altitude para a produção de vinhos foi tema da palestra do agrônomo Alberto Fontanella Brighenti, mestre em Produção Vegetal e doutorando em Recursos Genéticos Vegetais pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), na SNCT no Câmpus Urupema.

palestra_vinhosAlberto apresentou dados que mostram o panorama das produções mundial e brasileira de uva e vinho. O Brasil é o 15º produtor mundial de uva, sendo o Rio Grande do Sul o estado com maior produção dentro do País, seguido por Pernambuco e São Paulo. Da produção brasileira de uva, 80% vai para processamento (fabricação de bebidas – principalmente sucos e vinhos -, vinagres e geleias, por exemplo). A principal bebida fabricada  partir de uva no Brasil é o vinho de mesa, mas observa-se, de acordo com Alberto, aumento na produção de suco e espumante.

O Brasil ainda é um país que consome pouco vinho, se comparado com os países europeus e mesmo alguns latino-americanos, como Chile, Uruguai e Argentina: são pouco mais de 2 litros per capita por ano. O recordista mundial é Luxemburgo, país da Europa com 500 mil habitantes, com mais de 50 litros per capita por ano.

O estado brasileiro com maior consumo per capita de vinho é o Rio de Janeiro, que, junto com São Paulo, respondem por metade do consumo nacional. Os sete estados das regiões Sul e Sudeste, somados, detêm 80% do consumo brasileiro. “Ainda há os mercados do Norte e Nordeste a ser explorados”, comenta Alberto.

A tendência que se observa no Brasil, de acordo com o palestrante, no que diz respeito ao consumo de vinho é de uma maior procura por informações e cursos sobre tipos de vinho, criação de confrarias, troca da cerveja pelo vinho e campanhas de promoção do vinho nacional.

Alberto mostrou, ainda, as diferentes variedades de uva usadas na produção de vinho, suas características e adaptação a climas e solos, destacando cabernet sauvignon, merlot, pinot noir, syrah, sangiovese, malbec, tannat, chardonnay, sauvignon blanc, moscato giallo, gewürztraminer, bordô, isabel (a mais plantada no Brasil), niágara e goethe (muito cultivada na região Sul de Santa Catarina, especialmente em Urussanga).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *