Desafios matemáticos na SNCT em Araranguá

Em um dos estandes da SNCT em Araranguá, estudantes do curso de licenciatura em Ciências da Natureza com habilitação em Física promoveram desafios de matemática para os visitantes. Será que você consegue acertar pelo menos um deles? Confira:

“Como medirias os 11 minutos que são necessárias para cozinhar um biscoito com duas ampulhetas de oito e cinco minutos respectivamente?”

“Um automóvel comporta dois passageiros no banco da frente e três no banco de trás. Calcule o número de alternativas distintas para lotar o automóvel utilizando 7 pessoas, de modo que uma dessas pessoas nunca ocupe um lugar nos bancos da frente.”

“Em uma reta há 1.999 bolinhas. Algumas são verdes, e as demais, azuis (poderiam ser todas verdes ou todas azuis). Debaixo de cada bolinha escrevemos o número igual à soma da quantidade de bolinhas verdes à direita dela mais a quantidade de bolinhas azuis à esquerda dela. Se, na sequência de números assim obtida, houver exatamente três números que aparecem uma quantidade ímpar de vezes, quais podem ser estes três números?”

Estudantes divulgam Clube de Astronomia de Araranguá

Quem visitou a SNCT do Campus Araranguá pôde conhecer o Clube de Astronomia de Araranguá (CA²), formado por alunos e servidores do campus. Criado por iniciativa de estudantes do curso de licenciatura em Ciências da Natureza com habilitação em Física, o grupo reúne-se a cada semana para observar o céu, em sessões abertas ao público. As reuniões são realizadas sempre no campus, localizado na Avenida XV de Novembro, 61, bairro Cidade Alta.

Filipe Duarte, estudante do curso de licenciatura, afirma que o CA² é o único clube de astronomia de Araranguá. Para fazer as observações, os integrantes do grupo utilizam um telescópio do IFSC e cada pessoa pode levar suas lunetas particulares. Podem ser vistos corpos celestes como estrelas, planetas e nebulosas. “Quando observas a lua, consegues ver até as crateras”, conta.

Equipamento do Campus Araranguá auxilia cadeirantes no trabalho

Por meio de dois projetos, um de pesquisa e outro de extensão, o Campus Araranguá desenvolveu um protótipo para acessibilidade de cadeirantes na educação profissional e tecnológica. Uma espécie de veículo-plataforma, o equipamento foi uma das atrações da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia em Araranguá e, nesta quinta-feira, foi testado por dois cadeirantes em uma atividade no Laboratório de Estamparia do campus.

A construção do equipamento foi realizada por meio do projeto de pesquisa “Desenvolvimento de um protótipo para a acessibilidade de cadeirantes na educação profissional e tecnológica”. “Com ele, o cadeirante fica com mais autonomia para desempenhar atividades como trabalhar em uma bancada”, explica o professor Fábio Evangelista Santana, coordenador do projeto. Isso porque o equipamento permite ao cadeirante regular a altura em que pretende ficar e isso facilita o trabalho em bancadas.

Cadeirante pode regular a altura em que pretende trabalhar com o equipamento.

Os testes feitos com os cadeirantes são uma iniciativa do projeto de extensão “Caminhando com cidadania”. O técnico em assuntos educacionais Mozart Maragno é o coordenador do projeto e explica que o projeto começou em setembro, trazendo cadeirantes até o campus para avaliar as condições de acessibilidade. Depois de identificadas as barreiras arquitetônicas, o objetivo é obter recursos para fazer as melhorias. “Não temos ainda alunos cadeirantes, queremos que eles venham estudar aqui e temos que estar preparados para recebê-los”, diz.

Julio dos Santos, 28 anos, cadeirante há dois, testou o protótipo e o aprovou. No Laboratório de Estamparia, ele fez o processo de estampar um pedaço de tecido somente com sua cadeira de rodas e depois com o equipamento. “Sem o equipamento, estava difícil enxergar o que eu estava fazendo. Com ele, ficou melhor de ver e mais fácil de trabalhar. Se alguma firma daqui tivesse esse equipamento, eu conseguiria trabalhar com ele”, conta. Julio, morador de Meleiro, próximo a Araranguá, era pintor e sofreu um acidente de trabalho há dois anos, que o deixou paraplégico. Desde então, está desempregado.

Julio dos Santos testou o processo de estampar um tecido sem o equipamento (somente com sua cadeira de rodas) e…

… depois fez a mesma tarefa com o equipamento. Segundo ele, ficou mais fácil de visualizar o que estava fazendo e, com isso, mais fácil também de trabalhar.

Jogos para promover concentração e integração dos estudantes

Utilizar jogos de mesa para estimular a atenção, concentração e atividades de convívio em grupo entre os estudantes do Campus Araranguá foi o objetivo de um projeto desenvolvido ano passado e integrante da mostra de pôsteres do 1º Simpósio de Integração Científica e Tecnológica do Sul Catarinense (SICT-Sul), realizado no Campus Criciúma. “O aluno também acaba vinculando uma atividade prazerosa com o campus e isso pode estimular a permanência dele na instituição”, diz o professor Mateus Colares (à direita na foto), orientador do projeto.

Foram realizadas competições de pebolim, futebol de botão e tênis de mesa, nos intervalos das aulas, durante o segundo semestre de 2011, como explica o aluno-bolsista do projeto Filipe Duarte Calado (à esquerda na foto). Os três primeiros colocados foram premiados.

Instrumentos musicais para ensinar a física

Charlene Peruchi Dalmolin, estudante da sexta fase do curso de licenciatura em Ciências da Natureza com habilitação em Física do Campus Araranguá, desenvolveu um site onde disponibiliza a professores material didático para ensinar física por meio de instrumentos musicais. O trabalho dela foi apresentado por meio de pôster no 1º Simpósio de Integração Científica e Tecnológica (SICT-Sul), realizado no Campus Criciúma.

Charlene explica que o site, no endereço http://sites.google.com/site/afisicadosinstrumentosmusicais/home, vai trazer um manual para auxiliar os professores a usar o material para suas aulas e até a como construir instrumentos de baixo custo. A estudante conta que já há um curso de formação inicial e continuada (FIC) sobre o tema projetado para 2013. Ela explica que, por meio dos instrumentos musicais, podem ser ensinados conteúdos como acústica e eletromagnetismo.

SNCT em Brasília, com participação do IFSC

Nesta terça, começa a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia em Brasília, com participação do IFSC. Serão apresentados trabalhos do Instituto Federal no evento realizado na Capital Federal.

Do Campus Araranguá, vem o “Projeto e fabricação de uma cadeira de rodas de baixo custo acoplada ao projeto integrador do curso técnico em Eletromecânica”. Já do Campus Jaraguá do Sul, o projeto apresentado será o “Nanica Chick – Eco Acessórios”.

Do Campus Florianópolis serão apresentados três projetos de pesquisa dos cursos técnico em Química e superior de tecnologia em Radiologia com o tema “Mitigação dos impactos ambientais à procura da sustentabilidade através do desenvolvimento de projetos interdisciplinares e intercursos na área de Química”.

A SNCT em Brasília acontece até sábado, dia 20, no Pavilhão da Cidade Sarah Kubitschek.

Começou o 1º SICT

Começou nesta segunda-feira o 1º Simpósio de Integração Científica e Tecnológica do Sul Catarinense (SICT), realizado no Campus Criciúma. O simpósio é uma das atividades realizadas em Criciúma em comemoração à Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT).

O simpósio visa a integrar as atividades científicas, tecnológicas, extensionistas e de ensino das instituições públicas federais do sul catarinense: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina (IFSC), por meios dos campi Criciúma e Araranguá, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense (IFC), Campus Sombrio, e Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Campus Araranguá.

O 1º SICT vai até terça, dia 16, e tem na programação palestras, minicursos e apresentação de trabalhos. Saiba mais no site.

Alunos do IFC participam da SNCT do IF-SC

A SNCT no Campus Araranguá teve a participação do Instituto Federal Catarinense (IFC), instituição pública federal que oferece educação profissional e tecnológica, assim como o IF-SC. Os estudantes que participaram do evento são do Campus Sombrio do IFC, que fica na cidade vizinha de Santa Rosa do Sul (ainda leva o nome “Sombrio” porque quando foi criado, como escola agrotécnica federal, Santa Rosa do Sul ainda não havia se emancipado de Sombrio).

Os estudantes do curso de Agronomia (graduação) do Campus Sombrio do IFC apresentaram na SNCT do Campus Araranguá do IF-SC um projeto que visa a transformar óleo de cozinha em sabão. Segundo explica o aluno Manuel Souza Matos (em primeiro plano na foto), um litro de óleo é o suficiente para poluir 20 mil litros de água.

No processo de reutilização adotado por eles, são usados 3 litros óleo para 16 litros de água – com isso, evita-se a poluição de 60 mil litros de água. Soda cáustica e a fragrância desejada (limão, coco, etc.) também são utilizados. O sabão fica com consistência pastosa e pode ser utilizado para lavar louças e roupas.

Têxtil e Produção de Moda expõem trabalhos de estudantes

O estande do curso técnico em Produção de Moda na SNCT em Araranguá trouxe também vários trabalhos de alunos do curso. Por exemplo, moulage, você sabe o que é? O nome, em francês, designa a técnica de modelar a peça diretamente no corpo ou em um manequim. É bastante usada para roupas de festas, conforme explica a professora Anamélia Fontana Valentim. Sandálias estilizadas e peças feitas com tecido reaproveitado (por exemplo, de uma calça jeans criou-se um vestido) também foram expostos.

O curso de Produção de Moda organizou, ainda, uma atividade pela cidade, um “editorial de moda”. O desafio foi proposto na sexta-feira (14) pela professora Flávia Sá. Os alunos, divididos em seis equipes (uma para cada turma), tiveram dois dias para montar looks com tema livre e com apoio do comércio local. Os looks foram fotografados, e a melhor foto vai ganhar um jantar no Estúdio Flávia Sá Moda Photo. Curiosidade: para montar um dos looks, os alunos conseguiram até um carro do modelo New Beetle (“Novo Fusca”) emprestado com uma concessionária Volkswagen de Araranguá.

No estande do curso técnico em Têxtil: Malharia e Confecção foram expostos equipamentos antigos e atuais da área, como, por exemplo, máquinas de costura antigas, “manuais”, e uma máquina atual, que possui um sistema de programação. Os visitantes também conferiram trabalhos elaborados por alunos do curso, como tecidos estampados.

Licenciatura em Física mostra ciência por meio de trabalhos

O curso de licenciatura em Ciências da Natureza com habilitação em Física apresentou vários trabalhos na SNCT em Araranguá. Um deles foi o “anel saltante”, um sistema que gera corrente elétrica para uma haste de metal que é circundada por um anel também metálico. Com a liberação na energia, o anel “salta”. Isso ocorre porque as cargas que passam pela haste e pelo anel se repelem, segundo explica Charlene Peruchi Dalmolin, estudante do quarto módulo do curso.

Outro trabalho apresentado foi o de um painel solar feito com pequenos quadrados de vidro (em primeiro plano na foto abaixo). Com ele, é possível aquecer a água em uma lata de metal acoplada ao painel ao ponto de cozinhar um ovo. Essa experiência não foi demonstrada na SNCT (apenas o sistema), mas já foi feita com sucesso em outro evento, conta Charlene.