SNCT termina nesta quinta em Gaspar

DSC03272Muita integração e aprendizado. Depois de muitas atividades, esse é o resultado da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia realizada neste ano no Câmpus Gaspar. A cerimônia de encerramento será nesta quinta à noite com apresentações artísticas dos próprios alunos.

Para a coordenadora do evento, Gisele Luz Cardoso, a SNCT 2013 no câmpus atendeu as expectativas. “Conseguimos integrar os alunos de todas as fases e dos diferentes cursos e discutir a temática do evento relacionando com as áreas de atuação do câmpus”, relata. Para a professora, as palestras, as oficinas, os seminários e as mesas-redondas foram muito enriquecedores. “Toda a discussão dessa semana gerou muito aprendizado para a vida profissional e pessoal dos estudantes e servidores que não só participaram com ouvintes, mas também ministraram oficinas e palestras”, destaca.

Além de envolver a comunidade acadêmica, a SNCT do Câmpus Gaspar ainda promoveu oficinas para estudantes de outras escolas da região. Para o ano que vem, a ideia é ampliar ainda mais algumas atividades. “Queremos fazer mais oficinas para que nossos alunos tenham essa experiência de ministrá-las e trazer mais egressos para apresentarem projetos que fizeram durante o curso”, antecipa a professora Gisele.

Clique aqui para conferir um pouco do que rolou durante a SNCT 2013 no Câmpus Gaspar.

Como evitar gafes ao lidar com pessoas com deficiência

DSC03354Durante a mesa-redonda “Inclusão Escolar e Social: Superação de sujeitos com deficiência nos diferentes espaços” promovida pelo Câmpus Gaspar durante a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, a psicóloga Daniela Sagaz deu algumas dicas específicas para lidar com pessoas com deficiência. Confira:

 

Pessoas com deficiência visual

– Fale diretamente com a pessoa e não com quem estiver ao lado
– Conduzir é orientar a locomoção
– Atente-se aos obstáculos que ficam pendurados
– Palavras como “olhe” ou “veja” podem ser utilizadas

Pessoas com deficiência motora
– Em conversas prolongadas, procure sentar
– Não pendure objetos ou apoie na cadeira de rodas
– Mantenha as muletas, bengalas e cadeira de rodas próximas da pessoa
– Se a pessoa andar devagar, acompanhe o passo dela
– Se a pessoa tem deficiência nos membros superiores, espere para cumprimentar
– Nanismo é a forma mais gentil de definir a deficiência
– Palavras como “ande” ou “corra”: utilize naturalmente

Pessoas com deficiência auditiva
– Não adianta gritar
– Pessoa surda não é muda
– Chame a atenção da pessoa colocando-se em seu campo de visão ou tocando seu ombro de forma sutil
– Mantenha o contato visual, fale pausadamente e articule as palavras
– Intérpretes são essenciais em reuniões e treinamentos
– LIBRAS, gestos, mímicas, bilhetes e desenhos podem ser utilizados

Exemplos de superação

DSC03331Uma lição de vida. Assim foi a mesa-redonda realizada nesta quinta-feira (24) de manhã na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia do Câmpus Gaspar. Para tratar o tema “Inclusão Escolar e Social: Superação de sujeitos com deficiência nos diferentes espaços”, foram convidadas três profissionais com deficiência. Mais do que fazer relatos de vida, as palestrantes mostraram que muito ainda precisa ser feito para praticarmos a cidadania.

Fabiana Schmitt Corrêa é surda. Descobriu a surdez aos 6 anos por meio de uma professora na pré-escola e foi perdendo progressivamente a audição até deixar de escutar quando estava na graduação. E a pedagoga chegou à graduação justamente porque nunca viu na surdez uma limitação. “Consegui completar os estudos com muito esforço”, contou para a plateia com o auxílio da intérprete em libras, a professora temporária do câmpus, Gisele Rück Hofschneider. Hoje, Fabiana já é especialista em educação especial e mestranda em linguística.

DSC03333Outra palestrante que encantou os presentes foi a professora Luana Tillmann. A jovem nasceu com glaucoma congênito e, aos 15 anos, mesmo depois de passar por mais de 30 cirurgias, perdeu totalmente a visão. O diagnóstico de cegueira total não impediu Luana de lutar pelos seus sonhos. “É preciso ter coragem para assumir a deficiência”, contou.

Além de contar um pouco de sua trajetória, Luana esclareceu a plateia – formada principalmente pelos alunos do Câmpus Gaspar – sobre a maneira de lidar com a deficiência. “É importante entender que o termo correto é pessoa com deficiência, pois a deficiência é uma característica e não faz parte do sujeito”, explicou. A graduanda em pedagogia destacou ainda a necessidade da sociedade entender melhor do que trata a acessibilidade. “A deficiência não está no indivíduo, mas na sociedade”, enfatizou.

Daniela Sagaz, que também fez parte da mesa-redonda, nasceu sem parte de um braço e sem uma perna. Formou-se em psicologia e atualmente coordena o programa de Inclusão de Pessoas com Deficiência na empresa Souza Cruz. Para a psicóloga, as organizações precisam se preparar para conviver com profissionais com deficiência. “Assumir o despreparo é o primeiro passo para praticar a inclusão”, afirmou.

I Mostra de ensino e extensão do Vale do Itajaí reúne trabalhos dos câmpus Gaspar e Itajaí

DSC03294Junto com a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT) do Câmpus Gaspar, foi realizada a I Mostra de ensino e extensão do Vale do Itajaí. Durante a tarde de quarta-feira (23), alunos e servidores dos câmpus Gaspar e Itajaí puderam apresentar seus projetos. A mostra contou com 23 trabalhos, entre projetos integradores, de pesquisa e extensão.

A professora Vanessa  Oechsler, coordenadora da mostra, explica que a ideia do evento foi integrar os câmpus do IFSC que são próximos geograficamente. “Queremos estreitar as relações e fazer ainda mais parcerias”, destacou.

DSC03297Um dos alunos que apresentou seu trabalho durante a mostra foi Lucas Machado de Oliveira, da quarta fase do curso técnico integrado em Química do Câmpus Gaspar. O seu projeto integrador – feito na terceira fase do curso – foi sobre a influência da vegetação ciliar na qualidade da água.

Lucas explica que na região do Vale, a cada chuva forte, ocorrem processos erosivos em grandes proporções.  Além disso, muitas pessoas acabam ocupando áreas de mata ciliar, prejudicando o meio-ambiente. “Chegamos à conclusão de que os diferentes tipos de vegetação ciliar tem influência na qualidade e quantidade da água”, esclarece.  De acordo com o aluno, os ambientes com vegetação tendem a reter as águas das chuvas e protegem os solos. “Com esse projeto, nosso objetivo foi conscientizar a população a não ocupar esse tipo de área com mata ciliar, pois pode piorar ainda mais os riscos em caso de chuva”, destaca.

Você entende o que você come?

DSC03272Foi com essa indagação que a química Amélia Wehmuth chamou a atenção para a importância de se ter uma alimentação balanceada. Em palestra durante a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT) do Câmpus Gaspar, Amélia destacou como o entendimento dos rótulos dos alimentos pode ajudar a melhorar nossas escolhas.

DSC03271De acordo com pesquisa apresentada pela palestrante, 40% das pessoas não leem o rótulo de alimentos e, dentre os 60% que leem, 40% não entendem ou entendem muito pouco. Para explicar para os estudantes como entender o rótulo, Amélia mostrou as informações que devem estar contidas na embalagem e falou sobre cada tipo de alimento. “Para ter uma alimentação balanceada é preciso ler os rótulos e entender o que tem em cada alimento”, ressaltou.

Como recomendações finais para um bem-estar, a palestrante indicou o consumo de frutas, verduras, peixes e cereais integrais. “Comer de tudo um pouco, ter um prato bem colorido”, aconselhou. Além disso, Amélia orientou que as pessoas façam de 5 a 6 refeições por dia, bebam em média 2 litros de água, façam atividade física, não comam na frente da TV e, claro, leiam e entendam os rótulos dos alimentos.

Tudo em família

DSC03288Lúcia de Matos e Catiane de Matos Malczewski possuem mais do que um sobrenome em comum. Mãe e filha estudam juntas no Câmpus Gaspar do IFSC e aproveitaram a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT) para ganhar uma renda extra na Feira de Economia Solidária do câmpus.

Aos 51 anos, Lúcia nunca teve muito tempo para fazer cursos, já que sempre trabalhou fora como diarista. Agora aposentada, ficou empolgada quando a filha Catiane, de 16 anos, estudante do curso técnico integrado em Vestuário, falou sobre o curso que o câmpus ofertaria pelo programa Mulheres Mil. “Fiquei com vontade de aprender algo diferente e conhecer pessoas novas”, conta Lúcia. Estudando no câmpus desde maio, aposentada está adorando o curso. “Aprendi muitas coisas, até espanhol já sei falar alguma coisa”, afirma.

Catiane também gosta muito de estudar no IFSC. “Fiquei sabendo do IFSC quando foram divulgar na minha outra escola e estou gostando de estudar aqui, principalmente quando tem algo relacionado ao tema que gosto que é moda”, diz.

Além de estudar, a jovem faz cup cakes e, de vez em quando, traz para vender para os colegas. Quando ficaram sabendo da Feira de Economia Solidária que teria durante a SNCT no câmpus, mãe e filha resolveram unir esforços e garantir um dinheiro a mais. Quem passou nesta quarta (23) pelo câmpus, pode conferir os bolinhos e sanduíches naturais feitos pela família.

Alunas do Câmpus Gaspar expõem produtos em Feira de Economia Solidária

feira_economiasolidaria_gasparA Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT) do Câmpus Gaspar contou com uma Feira de Economia Solidária nesta quarta-feira(23). Durante toda tarde, alunas do programa Mulheres Mil puderam mostrar produtos que aprenderam a fazer no IFSC e ainda ganhar uma renda extra.

A economia Solidária é um conjunto de atividades econômicas de produção, distribuição, consumo, poupança e crédito, organizadas sob a forma de autogestão. O conceito casa bem com a proposta do programa Mulheres Mil, que busca a inclusão social, por meio da oferta de formação focada na autonomia e na criação de alternativas para a inserção no mundo do trabalho, para que mulheres em vulnerabilidade social consigam melhorar a qualidade de suas vidas e das de suas comunidades.

anelita_snct_gasparE oportunidade foi o que dona Anelita Pereira de Carvalho encontrou no IFSC. Aos 63 anos, a alegre senhora nunca imaginou que poderia aprender tanto com essa idade. “Estou na melhor fase da minha vida graças ao IFSC”, destaca.

Dona Anelita trabalhou por muitos anos como costureira, mas problemas de saúde estavam dificultando seu trabalho. Após uma enchente, ao colocar a máquina de costura na calçada para secar, foi roubada e se viu sem alternativa. “Eu precisava encontrar algo para fazer da minha vida já que ainda não consigo me aposentar”, conta.

Enquanto estudava num programa de Educação para Jovens e Adultos em uma escola da região, ficou sabendo do curso que o Câmpus Gaspar iria ofertar pelo programa Mulheres Mil e se interessou. Por meio do curso de reciclador, dona Anelita aprendeu a fazer diversas peças de artesanato reaproveitando material, como puff de garrafa pet e potes feitos com filtro de café.

Essas e outras peças foram expostas no estande de dona Anelita durante a Feira de Economia Solidária do Câmpus Gaspar. Mais do que ganhar uma renda extra com os produtos, dona Anelita encontrou no IFSC motivos para ser feliz. “Tudo aqui é muito bom! Os professores são ótimos, fazemos novas amizades e recebemos um aprendizado para toda vida”, ressalta.

Vem aí a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia 2013!

A Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT) de 2013 ocorrerá entre 21 e 27 de outubro, com o tema “Ciência, Saúde e Esporte”. Serão estimuladas e promovidas em todo o país atividades de divulgação, de difusão e de apropriação social de conhecimentos científicos e tecnológicos relacionados com esse tema.

O tema de 2013 foi escolhido para aproveitar os grandes eventos esportivos mundiais a serem realizados no Brasil, como a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos, que servirão para motivar a população, em especial as crianças e os jovens, a conhecerem os aspectos científicos, educacionais e de saúde envolvidos nas atividades esportivas.

Para conferir a programação dos câmpus do IFSC, clique aqui.

Estudantes têm contato com microbiologia no Campus Gaspar

Para permitir o primeiro contato das pessoas com a microbiologia, uma das oficinas promovidas durante a SNCT no Campus Gaspar foi a Oficina de Biologia. Realizada na sexta-feira, dia 19, a oficina contou com a participação de alunos do curso téncico integrado em Química do campus.

Durante a oficina, os participantes puderam realizar observações de material biológico com microscópico e praticaram o manuseio de equipamentos como o microscópio. “A microbiologia auxilia na análise ambiental, verificando a qualidade do ar e da água”, explica o professor responsável, Leônidas de Mello Júnior.

Encerramento da SNCT em Gaspar

A orquestra do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) encerrou as atividades da 9ª SNCT no Campus Gaspar com uma apresentação no sábado, dia 20.