Mesa-redonda discute a relação entre atividade física e saúde

Na manhã desta quinta-feira (24), os participantes da SNCT do Câmpus Araranguá acompanharam a mesa-redonda “Ciência, saúde e esporte”, que contou com a participação da professora do IFSC Carmem Beck e do médico da Faculdade de Medicina da Uniplac, Rafael Gilson. A mediação ficou por conta do professor Mateus Colares.

SONY DSCRafael fez uma apresentação sobre o panorama geral da saúde no Brasil e no mundo, apresentando índices – como natalidade, expectativa de vida e mortalidade – e a evolução histórica deles. Já Carmem apresentou as mudanças que ocorreram nos padrões de atividade física que, segundo ela, podem ser observadas por meio de quatro domínios: deslocamento, atividades domésticas, trabalho e lazer. “Pode-se notar uma grande diferença nessas quatro atividades. As formas como as executamos mudaram muito, e essas mudanças fazem com que as pessoas façam menos esforço, menos atividade física”, explica.

Segundo a professora, essas mudanças podem ser atribuídas a vários fatores, como o crescimento econômico, o ambiente favorável ao transporte motorizado, a baixa percepção de segurança, a urbanização, os dispositivos mecânicos utilizados no trabalho e as relações pessoais.

Atividade física e longevidade

Você sabe qual a quantidade de atividade física necessária para manter a saúde em dia? Durante a mesa-redonda “Ciência, saúde e esporte”, realizada no Câmpus Araranguá, a professora do IFSC Carmem Beck explicou que o ideal é que se pratique, no mínimo, 150 minutos de atividade física por semana. Cerca de metade da população brasileira não atinge essa marca.

SONY DSCOutra informação importante trazida por Carmem durante o evento foi de que, passar de quatro a oito horas por dia sentado, aumenta o risco de morte, independente da prática de atividade física. “Esses dados ainda estão sendo estudados, mas já se sabe que há relação. Por isso, é importante que pessoas que trabalhem sentadas levantem e caminhem com frequência”, aconselha a professora.

Por fim, Carmem deixou uma dica para o público, formado basicamente por adolescentes. “Façam no mínimo 60 minutos de atividade física por dia e, se possível, acrescentem sessões de fortalecimento muscular três vezes por semana. Isso trará uma série de benefícios que serão notados agora e para o resto de suas vidas”, disse.

Alunos do Câmpus Criciúma assistem à palestra sobre saúde

Você conhece os cinco tesouros que todos as pessoas possuem? Os alunos dos cursos técnicos subsequentes de Edificações e de Eletrotécnica do Câmpus Criciúma puderam conhecer esses tesouros na noite desta segunda-feira (21), em uma palestra com o Dr. Teruo Watanabe, que teve como tema “Saúde e qualidade de vida no trabalho”. A atividade fez parte da programação da 10a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, que esse ano tem como tema “Ciência, saúde e esporte”.

SONY DSCSegundo o Dr. Watanabe, nossos cinco tesouros são os dentes, as pernas, a água, a luz do sol e o dia de hoje. Os dentes porque a mastigação é uma etapa muito importante da refeição. “Quem mastiga direito, come até 30% menos”, afirma. As pernas porque quem caminha vive mais. “Pessoas que caminham para desempenhar suas atividades cotidianas ou que praticam atividade física regularmente possuem melhor qualidade de vida”, disse.

A água pode ser considerada um tesouro porque é fundamental para a funcionamento do corpo humano. “Principalmente para o bom funcionamento do nosso cérebro é muito importante tomar, no mínimo, dois litros de água por dia”. Já a luz do sol, de acordo com o médico, é fundamental para a absorção da vitamina D3, que previne vários tipos de doenças. “A maioria das pessoas tem deficiência dessa vitamina e nem sabem. Tomar sol duas vezes por semana, de 10 a 20 minutos, no horário entre 10h e 14h é fundamental para aumentar a vitamina D3, responsável por cerca de 20% das funções do nosso corpo”, explica.

SONY DSCPor último, o Dr. Watanabe ressaltou que, para alcançar a tão sonhada qualidade de vida, precisamos aprender a viver um dia de cada vez. “As pessoas vivem lamentando o passado e preocupados com o futuro. Tudo que temos é o dia de hoje. Esse pensamento aliado a todos esses processos certamente farão as pessoas serem mais felizes”, conclui.